Uma Variedade de Características Distintas

Devido à sua composição e ao seu conteúdo (proteínas, lactose e minerais), os produtos do soro do leite podem ser difíceis de secar. As frações do soro do leite apresentam muitas características diferentes e, por isso, precisam ser concentradas e processadas de acordo com essas diferentes propriedades. A GEA é líder de mercado em tecnologias de secagem do soro do leite e oferece soluções para produtos do soro e derivados, incluindo soro em pó desmineralizado, lactose, permeado, proteínas concentradas de soro (WPCs), proteínas isoladas de soro (WPIs) e soro doce/ácido.

Sua linha de produtos inclui diferentes tipos de secadores por aspersão, sendo cada um deles projetado para composições específicas do produto e propriedades do soro do leite.

Spray Drying sem Cristalização

Este processo exige as seguintes operações/processos na unidade: pré-aquecimento, concentração e secagem por aspersão e resfriamento pneumático em um leito fluidizado vibratório. O soro do leite em pó comum obtido utilizando este processo é fino, higroscópico e suscetível à aglutinação "caking" (muitas vezes influenciada pelo tipo de soro e pelas condições climáticas locais). A viscosidade, a aglutinação e os problemas associados do soro do leite em pó comum resultam principalmente da presença de lactose cristalina desestruturada.
 
Quando ocorre a secagem por aspersão dos produtos do leite, as partículas de lactose se tornam amorfas e instáveis em contato com o ar atmosférico a condições normais de umidade. Apenas a alfa-lactose monoidratada é estável à umidade. O teor de lactose do soro do leite em pó é composto por mais de 70% de sólidos totais (comparado a 30% no leite integral), o que torna o processo de secagem por aspersão mais desafiador. No entanto, é possível manipular o processo de secagem a fim de converter a maior parte da lactose na forma de alfa-lactose monoidratada estável.

Spray Drying com Cristalização

Para facilitar a cristalização final, pode ser incluída uma fase de pré-cristalização no processo de produção do soro do leite antes da secagem por aspersão. A viscosidade do concentrado é razoavelmente baixa, as temperaturas podem ser ajustadas e controladas, o deslocamento da solução usada pode ser acelerado por agitação a partir da superfície dos cristais formados e a quantidade ideal de cristais de lactose adequados pode ser otimizada.
 
Além disso, normalmente há tempo suficiente para o processo de pré-cristalização a fim de atingir o grau ótimo (teórico) de cristalização. O produto subsequente não é aglutinado e, sendo aglomerado, deixa de ser particulado, o que facilita o seu transporte. Os aglomerados tendem a ser pequenos e, por isso, a densidade aparente que apresentam é relativamente alta.