Tratamento de água oleosa

O tratamento de águas residuais é rigorosamente controlado por leis nacionais e internacionais. As águas residuais somente podem ser descartadas após a prévia remoção do óleo com sistemas de tratamento especialmente aprovados. O conteúdo máximo de óleo não deve ultrapassar 15 ppm. O limite foi reduzido a 10 ppm em algumas áreas.

Proteja o meio ambiente

A água oleosa somente pode ser descartada se o conteúdo de óleo nos efluentes for inferior a 15 ppm. 15 partes de óleo por um milhão de partes de água parecem muito pouco, mas a GEA acredita que esse nível ainda seja alto demais. Além disso, sob condições de operação, na prática, se demostrou que esse valor não é alcançado de maneira alguma em muitas instalações convencionais . Quanto mais pudermos reduzir este valor, maior será o benefício para nosso meio ambiente.

As águas residuais são uma mistura dos seguintes componentes:

  • Vazamentos de água de resfriamento
  • Vazamentos de combustível e de óleo lubrificante
  • Drenagens de tanques de borras e de sedimentação
  • Efluentes de vários processos de limpeza

O produto (isto é, água oleosa sem emulsão excessiva) é succionado do tanque de água oleosa através da bomba de alimentação, passa pelo filtro depois pré-aquecedor e através da válvula de alimentação chega a centrífuga. Durante o processo de partida ou de ejeção, é conduzido novamente ao tanque de água oleosa.

O produto flui de cima ao centro do rotor da centrífuga. A fase pesada da água é separada das partículas mais finas de óleo e é descarregada então, sob pressão, através de uma bomba centrípeta até tubulação de saída de água limpa.