A água é essencial para toda a vida na terra, e a água potável e o saneamento são direitos humanos fundamentais. Muitos de nós não pensam duas vezes em abrir uma torneira para obter água potável e fresca para beber, cozinhar, lavar ou descarregar o vaso sanitário. Mas bilhões de pessoas em todo o mundo não têm tanta sorte. A GEA está trabalhando na Indonésia para instalar tecnologias em uma grande estação de tratamento de água que não são apenas essenciais para o abastecimento de água potável para as comunidades locais, como também estão ajudando a reduzir o assoreamento e as inundações dos rios.

Estima-se que 3 em cada 10 pessoas ainda não têm acesso a água potável manipulada com segurança e 2,4 bilhões de pessoas não têm serviços de saneamento básico, como banheiros. Quase 1.000 crianças em todo o mundo morrem todos os dias devido a doença diarreica evitável relacionada à água e ao saneamento1.

Este problema global não é apenas uma questão de acesso à água, mas de ter água doce suficiente para satisfazer as necessidades. A água doce é efetivamente um recurso esgotável. Segundo um relatório recente da UNESCO, 2 bilhões de pessoas já convivem com a ameaça de escassez de água e cerca de 4 bilhões de pessoas sofrem severa falta de água durante pelo menos um mês do ano2. Até 2050, é provável que 1 em cada quatro pessoas morem em um país afetado pela escassez crônica ou recorrente de água doce1.

Guerras pela água

A competição por recursos hídricos limitados será uma grande preocupação global nos próximos anos, de acordo com um relatório recente da Comissão de Pesquisa Conjunta da União Europeia3. O relatório diz que a competição pela água provavelmente "exacerbará" as tensões políticas, a instabilidade regional e a paz social ", resultando em guerras pela água entre países vizinhos. As áreas ao redor dos rios Nilo, Ganges-Brahmaputra, Indus, Tigre-Eufrates e Colorado foram destacadas como as áreas mais vulneráveis.

Quem usa a maior parte

Todos nós podemos fazer nossa parte em nossas casas e escritórios diariamente para tentar economizar água, mas ao redor do mundo a agricultura é responsável atualmente por cerca de 70% do uso de água doce. Além disso, aproximadamente 19% é usado pela indústria e cerca de 12% é usado para fins municipais, o que inclui a água que utilizamos em nossas casas4. Nos últimos anos, a Índia foi o maior consumidor de água agrícola do mundo e também o terceiro maior consumidor municipal de água, atrás da China e dos EUA5.

teste

Com um abastecimento limitado de água doce no planeta, é fundamental que limpemos o máximo possível de nossas águas residuais. Os números citados pela UNESCO indicam que, enquanto os países de alta renda tratam cerca de 70% das águas residuais que geram, nos países de baixa renda apenas 8% das águas residuais industriais e municipais passam por tratamento de qualquer tipo. Se esses números forem precisos, então em todo o mundo mais de 80% das águas residuais são despejadas sem tratamento adequado6. Essa água pode conter metais pesados tóxicos, pesticidas e herbicidas, resíduos de drogas e outros poluentes, além de dejetos humanos e resíduos de animais.

A crescente urbanização e crescimento populacional, juntamente com a falta de infraestrutura para tratar as águas residuais nas cidades e nas áreas rurais, estão agravando o problema. Em muitas regiões, simplesmente não há capacidade para tratar toda a água residual produzida. Estima-se, por exemplo, que as principais cidades e vilarejos da Índia tinham capacidade para tratar apenas cerca de um terço de suas águas residuais e quase 40% das estações de tratamento de esgoto operantes não estavam em conformidade com as normas para descarga de água tratada em vias navegáveis7.

Iniciativas nacionais

Governos em todo o mundo, e particularmente nas regiões menos desenvolvidas, aprovaram, nos últimos anos, leis que visam melhorar o abastecimento e o tratamento de água nas regiões urbanas e rurais. Na Indonésia, uma regulamentação do governo central que entrou em vigor no início de 2019 exige agora que os governos locais cumpram os padrões mínimos de provisão dos serviços públicos, incluindo o abastecimento de água. É uma tarefa gigantesca, de acordo com um relatório da Associação das Nações do Sudeste Asiático, que observou que a poluição da água estava aumentando, em vez de diminuir na Indonésia - 80% dos pontos de monitoramento de água estavam fortemente poluídos em 2013, contra 62% em 2009 - e que apenas 41% da população da Indonésia tinha acesso a água potável segura e 42% não tinham acesso a instalações de saneamento adequadas8.

A América Latina e o Caribe priorizaram seus investimentos em infraestrutura de abastecimento de água nos últimos anos, mas com cerca de 60% da população da região sem ter ainda ligação a um sistema de esgoto, apenas 40% da água residual é tratada9. Os programas enormes para coletar e tratar águas residuais exigirão investimentos de cerca de USD 80 bilhões para implantar a infraestrutura necessária de esgoto e outros USD 33 bilhões em tratamento de águas residuais nas duas décadas de 2010 a 20309.

Estes investimentos são bem gastos. Como observa o relatório do Banco Mundial, além dos óbvios benefícios ambientais e de saúde, uma melhor gestão das águas residuais também pode gerar receitas a partir da recuperação de energia, biossólidos, nutrientes e, é claro, da água reutilizável, que podem ajudar a financiar o operação e a manutenção de estações de tratamento.

Para ajudar as nações a perceber e capitalizar o valor dos recursos de águas residuais, o Banco Mundial, juntamente com a CAF e outros parceiros, criou a iniciativa “Watewater: de resíduos a recursos”, que fornecerá orientação para melhorar o planejamento, gestão e financiamento do tratamento de águas residuais e recuperação de recursos na região9.

A GEA fornece a tecnologia essencial para tratamento de águas residuais

A GEA trabalha com governos e a indústria em todo o mundo para oferecer tecnologias essenciais para o tratamento eficiente do esgoto. As centrífugas decantadoras ambientais com eficiência energética da GEA espessam e dessecam efluentes de maneira eficaz e eficiente, removendo a água dos sólidos para que as estações de tratamento de esgoto possam reduzir seu volume de lodo, o que equivale a custos mais baixos de transporte e tratamento adicional da água.

Essas tecnologias de separação são normalmente usadas para dessecar o lodo que fica depositado a partir da suspensão no início do processo de tratamento de esgoto, mas também são aplicadas para remover a água do lodo que é processado nas estações de tratamento de água potável a jusante.

Água potável limpa

As centrífugas decantadoras industriais da GEA reduzem o volume de lodo do esgoto em até 90%. Integrados a instalações de tratamento de esgoto novas ou existentes, os decantadores da GEA também podem ser fornecidos como unidades móveis, modulares e plug-and-play, que podem ser usadas para ajudar as estações de tratamento de águas residuais municipais a gerir picos de carga ou para serem transportadas em reboques para uso no campo.

A dessecação de lodo pode ter um enorme impacto ambiental, além de desempenhar um papel fundamental no fornecimento de água limpa e segura para as comunidades locais e regionais. Na região de Serpong, na província de Banten, Indonésia, por exemplo, a descarga direta de lodo de uma grande estação de tratamento de água no rio representou por muitos anos uma causa direta de assoreamento do rio, o que levou a repetidas inundações da bacia e das suas comunidades.

O Ministério do Meio Ambiente do governo indonésio está aplicando normas rígidas nas grandes cidades para reduzir essa prática. Percebendo a necessidade urgente de reduzir a quantidade de sólidos lançados no rio, o município PT Tirta Kerta Raharja, proprietário da estação de tratamento de água potável da região de Serpong, e a empresa operadora da estação PT Traya Tirta Cisadane, contrataram a GEA para projetar e construir um sistema de manipulação do lodo, usando a tecnologia de centrífuga decantadora da GEA, que ajudará a reduzir drasticamente o assoreamento dos rios, separando os sólidos da água do lodo da estação de tratamento.

A estação municipal foi projetada para lidar com 3000 litros de água por segundo e foi equipada com um dos sistemas de centrífuga decantadora de maior capacidade do portfólio da GEA. O projeto, financiado pelo governo indonésio e liderado pela GEA Indonésia, envolveu a configuração e instalação de três centrífugas decantadoras, duas das quais estarão em operação constante, com um sistema redundante disponível para substituição durante a manutenção ou reparos. O melhoria recém-comissionado deveria ser entregue à empresa operacional antes do final de 2019.

"Raramente se vê uma nação se envolver com tanto entusiasmo e determinação na preservação dos recursos naturais", disse Dinesh Gehani, gerente regional de vendas de produtos da GEA APAC. “Começamos a trabalhar com a PT. Tirta Kerta e a PT. Traya Tirta Cisadane quase um ano antes, firmando um acordo contratual para desenvolver uma solução integrada para um sistema completo de gestão do lodo, incluindo as centrífugas decantadoras GEA com tecnologia de ponta. Com o sistema de gestão do lodo em operação na estação de tratamento de água, esperamos que as pessoas da região sofram com menos frequência de inundações”, explicou Dinesh.

Ir para cima
Voltar