Manter os animais saudáveis e sem stress é fundamental para a pecuária. Animais bem alimentados e satisfeitos são mais produtivos e, para vacas leiteiras, isso significa mais leite por vaca.

A tecnologia está ajudando a melhorar o bem-estar do rebanho leiteiro a nível mundial

O leite é um dos produtos agrícolas mais valiosos do mundo. Mais de um quarto das 570 milhões de fazendas ao redor do mundo mantêm pelo menos um animal para a ordenha, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).1. Isso totalizava um rebanho global de cerca de 274 milhões de vacas leiteiras em 2014. A reprodução seletiva, combinada com fatores como o melhor bem-estar animal, incluindo nutrição e acomodação, significa que a produção de leite por vaca praticamente dobrou nos últimos 40 anos.2. Nos EUA a produção média de leite por vaca atinge, atualmente, 30 litros por dia.

Um olho especializado

No entanto, mesmo os animais mais bem cuidados podem ficar doentes ou feridos. Em pequenas fazendas leiteiras, o fazendeiro ou o pastor provavelmente reconhecerá os comportamentos naturais, os hábitos e padrões alimentares de cada animal e perceberá quando algo não estiver bem. Esse nível de observação representa a principal ferramenta diagnóstica para detectar sinais iniciais de claudicação, infecção ou stress, por exemplo. A identificação precoce de problemas comuns de saúde, como mastite ou problemas nos cascos, significa que eles podem ser tratados antes que os animais fiquem mais doentes e com maior desconforto. O rápido diagnóstico e a ação corretiva também significam uma recuperação mais rápida, menor impacto na produtividade, menos uso de antibióticos e redução dos gastos com veterinários. 

Confiar no olho especializado do fazendeiro para monitorar cada vaca vai ficando cada vez mais difícil à medida que as fazendas se tornam maiores. A automação de tarefas como ordenha e alimentação significa que as fazendas podem, agora, adquirir centenas ou milhares de animais. Não há como o produtor reconhecer mudanças no comportamento de cada uma das potencialmente dezenas de vacas sob seus cuidados. 

Expectativas do consumidor

Paralelamente ao aumento do tamanho das fazendas e das práticas agrícolas intensivas, os consumidores estão cada vez mais conscientes das questões relacionadas ao bem-estar animal e exigem garantia de qualidade, segurança e rastreabilidade dos alimentos, explica o professor Joerg Hartung, da Universidade de Medicina Veterinária de Hannover, Fundação (TiHo) na Alemanha.

“Hoje em dia, os consumidores estão muito bem informados. Os fazendeiros têm que obter lucros, mas ao mesmo tempo manter suas fazendas sustentáveis e seus animais saudáveis, felizes e produtivos. É um equilíbrio difícil de manter”.

A tecnologia é um fator fundamental nas práticas de bem-estar agrícola hoje. As máquinas automáticas de ordenha registram a quantidade diária e a qualidade do leite produzido por cada vaca, o que pode representar um indicador básico de saúde. Mais recentemente, foram desenvolvidas tecnologias inteligentes que podem monitorar discretamente o comportamento de cada animal, em tempo real, 24 horas por dia, para fornecer cada vez mais informações sobre a saúde e o bem-estar. 

Pecuária de precisão

A aplicação desses sistemas modernos para manuseio e bem-estar animal - conhecidos coletivamente como pecuária de precisão - se baseia no uso de dispositivos de monitoramento não invasivos, como câmeras, microfones, coleiras ou faixas nas pernas, que detectam mudanças na maneira como os animais se comportam no campo e em suas baias e galpões. Os dispositivos podem medir e registrar a quantidade de tempo que um animal passa andando, comendo, de pé ou deitado. 

Os sistemas detectam e interpretam os desvios do comportamento de um animal, avaliam se esse comportamento pode indicar um problema de saúde e alertam automaticamente o fazendeiro através do seu smartphone ou computador. É importante sublinhar que as tecnologias da pecuária de precisão não comparam um animal com outro, mas monitoram cada animal individualmente ao longo do tempo. "Podemos obter uma quantidade enorme de informações sobre a saúde e o bem-estar geral de um animal, monitorando comportamentos bastante simples", explica o professor Daniel Berckmans, da Katholieke Universiteit, Leuven, Bélgica. “Tecnologias apropriadas de pecuária de precisão podem até detectar quando uma vaca está entrando no cio e, assim, determinar o melhor momento para a inseminação. Medições de stress, como a agressividade, por exemplo, podem alertar o fazendeiro de que algum aspecto das condições de acomodação dos animais precisa ser modificado”.

Os fazendeiros estão adotando as tecnologias de pecuária de precisão, não para substituir a pecuária prática, mas para obter uma faixa extra de vigilância. “O monitoramento ininterrupto permite um sistema de alerta precoce, porém, ainda é o fazendeiro quem age nesse alerta precoce. Ele quem terá a experiência para determinar se o animal está em desconforto e, em caso afirmativo, saber a causa possível e os próximos passos a seguir”, enfatiza o professor Hartung. "Os fazendeiros ainda precisam ter essa interação com seus rebanhos, mas 90% daqueles com quem conversei são a favor do monitoramento como uma ferramenta valiosa que pode ajudá-los a entender melhor seus animais”. 

 As informações que os dispositivos gravam podem ser relativamente simples, mas a forma como os dados são apresentados e interpretados pode fornecer informações importantes sobre muitos aspectos do bem-estar e da fertilidade. O fazendeiro pode usar um smartphone, tablet ou computador para fazer logon em um portal Web e visualizar todos os resultados e estatísticas de cada vaca em um formato gráfico compreensível e fácil de ler. Períodos de atividade particularmente alta, por exemplo, podem indicar o tempo ideal para a inseminação, enquanto uma queda inesperada na quantidade de tempo gasto andando ou em pé pode indicar claudicação. 

 A capacidade de realizar monitoramentos 24 horas por dia, 7 dias por semana, também pode proporcionar grande tranquilidade ao fazendeiro, acrescenta o professor Berckmans. "A chave não é a capacidade de fazer grandes cálculos, é definir quais as variáveis certas a serem medidas em primeiro lugar", observa ele. “Às vezes, isso pode ser bem simples, como a profundidade ou o tom da tosse de um porco”, observa o professor Hartung.

"Os algoritmos de computador podem identificar se a tosse era apenas um animal limpando a garganta ou se era indicativa de problemas de saúde”.

Pioneirismo em pecuária de precisão com CowView

Ferramentas para o gerenciamento eficaz do rebanho

A GEA é pioneira no desenvolvimento de tecnologias de pecuária de precisão para a pecuária leiteira e tem trabalhado conjuntamente com pesquisadores acadêmicos, incluindo os professores Hartung e Berckmans, como parte do projeto EU-PLF, que demonstrou a aplicação do sistema de pecuária de precisão, o CowView da GEA, em ambientes agrícolas reais. Liderada por Daniel Berckmans, a iniciativa de pecuária de precisão financiada pela UE permitiu que parceiros acadêmicos e industriais trabalhassem juntos para ajudar a levar ferramentas inovadoras da pecuária de precisão para fora do laboratório e para dentro de fazendas leiteiras, suínas e avícolas. 

O CowView inclui um sistema de GPS indoor (RTLS = sistema de localização em tempo real) que registra continuamente a localização de cada vaca usando sensores no estábulo que recebem sinais das tags CowView na coleira dos animais. O sistema fornece uma visão holística do bem-estar do rebanho. As informações recebidas dos sensores CowView são analisadas para fornecer dados detalhados sobre perfis de movimentos específicos do animal e os padrões de comportamento de cada animal e de grupos de animais, como indicadores de stress ou doença. O sistema comunica alertas diretamente com os gerentes do rebanho, técnicos e prestadores de serviços externos, e até mesmo direciona o responsável para a posição exata de um determinado animal entre os possíveis milhares de animais no estábulo. 

O interesse pelas tecnologias de pecuária de precisão está aumentando rapidamente em todo o mundo e, particularmente, na América do Sul e na Ásia, comenta o professor Berckmans. “Há um enorme crescimento e intensificação da pecuária nessas regiões e uma percepção aguda de que o gerenciamento eficaz do bem-estar animal deve andar de mãos dadas com a produção eficiente. No entanto, a aplicação da pecuária de precisão não afeta apenas as criações intensivas. Mesmo as menores e mais tradicionais fazendas podem aumentar a produtividade utilizando a tecnologia de pecuária de precisão para monitorar seu rebanho”.

A GEA reconhece que pode desempenhar um importante papel no desenvolvimento de tecnologias de pecuária de precisão que resultarão em benefícios tangíveis tanto para a saúde animal quanto para a operação da fazenda. "A GEA tem priorizado o desenvolvimento de sistemas de monitoramento de última geração para obter uma visão cada vez melhor do comportamento e do bem-estar das vacas nas fazendas leiteiras em todo o mundo", comenta a Dra. Susanne Klimpel, Chefe de gerenciamento de produtos para aplicações e componentes da GEA. "Nossos sistemas inovadores ajudarão os produtores a garantir o melhor bem-estar para seus animais, mas também melhorarão a eficiência e a produtividade das suas fazendas”. 

Ir para cima
Voltar