“Por que razão continuamos terceirizando nosso desaguamento de lodo?", se questionava a water-link no início de 2012. Juntamente com a GEA, a Antwerp Water Company (companhia de água de Antuérpia) construiu um container com uma unidade de preparação de polímeros e um decanter para otimizar o desaguamento do lodo. “Nossas operações de desaguamento/transporte estão agora automatizadas e estamos economizando metade dos nossos custos operacionais,” afirma Sven Kempeneers, Engenheiro de Processo da water-link. Ele resume os 6 trunfos da instalação do decantador produzido para a water-link.

water-link no mercado da Bélgica

water-link logo

Como o maior produtor de água de Flandres, a water-link atende três segmentos de mercado: o mercado residencial, industrial e outras companhias de água. Especificamente, a water-link fornece água potável a mais de um milhão de pessoas todos os dias. Sven Kempeneers: "Em nossos correntes de água, purificamos a água através da remoção de sólidos em suspensão, microorganismos, algas, etc. O desaguamento do lodo, por conseguinte, só ocorre na corrente residual, mas impacta em nossa corrente principal”.

TRUNFO #1 – processo mais eficiente

"Costumávamos armazenar o lodo num reservatório, onde ele era tratado e removido por um parceiro externo uma vez ou duas vezes por ano. Com um período tão longo de armazenagem, o lodo ficava cada vez mais degradado (por exemplo, com formação de amônia) - especialmente no verão. Agora que nossa nova unidade está funcionando, o desaguamento do lodo ocorre continuamente: os resíduos sólidos são removidos e levados imediatamente. Isto significa que podemos trabalhar de forma mais eficiente: estamos recuperando mais água de um grau de pureza mais elevado a partir do lodo, deste modo é mais fácil reciclá-la e retorna-lá à nossa corrente principal”.

TRUNFO #2 – melhores resultados

“Regra geral, 1% mais de sólidos secos podem reduzir os custos operacionais em 5%. Graças a este unidade, estamos obtendo sólidos secos mais concentrados. Nós pudemos aumentar a porcentagem de sólidos secos de 0.1% para 16-22%. A GEA também nos deu a garantia de que poderíamos obter pelo menos 600 kg de sólidos secos por hora e eles cumpriram isso. Desde que a unidade foi comissionada, nós realizamostrês testes de desempenho, com resultados bons e consistentes”.

TRUNFO #3 – impacto ambiental reduzido

“O lodo é mais concentrado, o que reduz a quantidade que temos de remover. O lodo é também reusado como combustível na indústria de cimento e muito em breve ele irá também começar a ser utilizado como material de construção para diques elevados e estradas”.

TRUNFO #4 – simplicidade

“Tenho que admitir que na water-link não sabíamos muito sobre técnicas de desaguamento do lodo; não tínhamos pessoal nem recursos para analisar o assunto com mais atenção. Exceto por alguns aspectos da engenharia civil, a GEA gerenciou este projeto do início ao fim: o design (tendo em conta as rigorosas exigências em termos de insonorização, isolamento e ventilação), contratação, os diversos componentes da unidade, entrega, comissionamento e até o treinamento do nosso pessoal e equipe de monitoramento. Graças à automação compreensiva,a intervenção do nosso pessoal de operação é mínima”.

TRUNFO #5 – nenhuma preocupação, mesmo após o comissionamento

“Como resultado desta abordagem integrada, a GEA foi capaz de garantir não só um melhor resultado, como também um bom serviço pós-comissionamento. A GEA é um agente local com uma equipe de dez técnicos. Tem sempre alguém disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, para que nunca tenhamos que nos preocupar com nada. Os custos de manutenção de cinco anos também são muito razoáveis”.

TRUNFO #6 – investimento recuperado em metade do tempo

“Nossos investimentos em projetos de construção desse tipo normalmente se pagam após dez anos. Com base nos cálculos atuais de ROI, nós devemos recuperar este investimento em apenas cinco anos”.

Produto de primeira linha

Os resultados são impressionantes e a water-link está maravilhada. Seu entusiasmo não é exagerado, pois é devido à maneira como a GEA enfrentou os obstáculos que surgiram durante o projeto. “Não é fácil lidar com este lodo de alumínio,” explica Sven. “Você não pode compará-lo com olodo biologicamente ativona Aquafin, por exemplo. Há mais algas no verão do que no inverno e de vez em quando nos chega uma corrente de carbono ativado. Mas a GEA assumiu a responsabilidade pelo projeto em todo o caminho e lidou com os problemas eficazmente conforme eles iam aparecendo - e eles puderam contar sempre com o apoio da sua empresa-mãe alemã também. Às vezes, houve momentos estressantes para todos nós, mas no final a GEA apresentou um produto excelente e estamos muito satisfeitos com ele”.

6 trunfos para o infográfico da Waterlink
Voltar