160 centrifugas para o tratamento de óleo combustível pesado e oleo lubrificante nos navios porta-contêiner da classe triple-E

Reduzindo as emissões no transporte marítimo

A.P. Møller – Mærsk A/S

A indústria internacional de transporte marítimo está sob pressão extrema. A concorrência é acirrada. Demandas para que o transporte marítimo seja ambientalmente correto e apresente baixo consumo de energia estão sendo impostas não só pelas autoridades reguladoras e por uma ampla variedade de organizações, como também são demandas do próprio mercado devido à necessidade de reduzir os custos e os esforços para se obter um um transporte alternativo com baixas emissões. "Tecnologia Verde" é a ordem do dia, e isso pode ser observado por todas as áreas da construção naval moderna.

A classe triple-E é um novo desenvolvimento com vários superlativos. Cada navio terá 400 metros de comprimento, 59 metros de largura e 73 metros de altura, podendo carregar 18.000 contêineres de cerca de 6 metros cada. A companhia de navegação A.P. Møller-Mærsk pretende usar os navios porta-contêiner para estabelecer um serviço de transporte diário entre a Ásia e a Europa, com o objetivo de atender com mais eficiência à crescente demanda de comércio entre os dois continentes. Com seu calado de 14,5 metros, os navios já podem usar vários portos na Europa. Porém, na América, nenhum porto ainda é capaz de lidar com tamanho calado de navio.

Alta eficiência energética e respeito pelo meio ambiente

Centrifuge - Separator OSE

Para a construção da classe triple-E, o estaleiro coreano DSME (Daewoo), responsável pela execução da obra, fez uma encomenda com a GEA de um total de 160 separadores de última geração GEA eagleclass. Eles serão colocados em operação nos 20 navios porta-contêiner triple-E da Linha Maersk, que serão lançados entre o final de 2013 e 2015. A Maersk assim reforça suas relações comerciais duradouras com a GEA. 

A classe Triple-E representa economia de escala, eficiência energética e aperfeiçoado ambientalmente. Em detalhes, isto significa o seguinte: a capacidade de 18.000 TUE é de 2500 contêineres ou 16% maior que a do antigo maior navio porta-contêiner do mundo, o Emma Mærsk. O consumo de óleo combustível é 35% menor do que em outros navios porta-contêiner que também serão entregues para a rota Ásia-Europa nos próximos anos. Além disso, as emissões de carbono da classe triplo-E são 20% menores do que no Emma Mærsk – em comparação à média dos navios porta-contêiner na rota Ásia-Europa, as emissões de carbono são 50% menores. A classe triple-E está equipada com um sistema de recuperação de calor que recupera até 10% da energia do motor. As economias correspondem ao consumo anual de 5000 lares europeus em média. Consumindo um quilowatt-hora por tonelada de mercadoria transportada, os navios percorrem 184 quilômetros. O desempenho correspondente de um avião a jato é de apenas meio quilômetro por tonelada. Para a nova categoria de navio, isso se deve a vários fatores, incluindo um sistema de acionamento revolucionário com o conceito de menor velocidade, que pode ser reduzido para 8,5 nós.

No entanto, a nova rota Ásia-Europa "Daily Mærsk" definirá novos padrões em termos de pontualidade e confiabilidade. Em vez das conexões semanais anteriores, os planos são que os navios partam de quatro portos na Ásia todos os dias para três portos no norte da Europa, com espectativas de garantir um tempo de transporte fixo de 26 a 34 dias. Isto requer um projeto e construção extremamente confiável, na qual o tratamento do óleo combustível pesado e do óleo lubrificante também têm um papel extremamente importante a desempenhar. E a maior companhia de navegação de contêineres no mundo pretende transportar suas cargas de maneira muito mais econômica com as novas embarcações. Graças às maiores dimensões, a Mærsk considera que a economia em termos de custos de transporte seja de 26% por contêiner.

Os separadores eagleclass reduzem o consumo de energia em 30%

As centrifugas eagleclass para tratamento de óleo combustível pesado e óleo lubrificante se encaixam muito bem neste conceito. Elas contribuem para a eficiência e a proteção ambiental dos navios triple-E, com redução de até 30% no consumo de energia nas centrifugas de modelo OSE, além da menor exigência de espaço e do maior valor agregado. Graças ao sistema unitrolplus, elas são capazes de monitorar e controlar o processo de tratamento de óleo de maneira totalmente automática. Esta nova geração de sensores ajusta o acréscimo de volume preciso de água de deslocamento para o deslocamento final do óleo antes do processo de descarga, o que resulta na minimização acentuada das perdas de óleo e a maxima eficiência de separação, além de menos operações de descargas e menores volumes descarregados no tanque de borras.

A confiabilidade da eficácia de separação mesmo sob condições climáticas extremas é justamente o fator que atende às rigorosas exigências da empresa de transporte marítimo. O atendimento a este requisite é fundamental porque pontualidade e confiabilidade garantida são absolutamente essenciais para a nova rota diária Ásia-Europa da Mærsk. Graças ao desempenho superior com ganho adicional na eficiência de separação dos modelos OSE, são necessárias menos centrifugas a bordo, consequentemente menos peças sobressalentes precisam ser armazenadas e a exigência de área para instalação e manutenção é menor. Com a possibilidade de se utilizar peças de reposição idênticas, a padronização da série do modelo OSE também contribui ainda mais para a redução no número de peças sobressalentes que são armazenadas. As centrifugas eagleclass da GEA contribuem significativamente no sentido de assegurar que a nova rota de alta velocidade entre Ásia e Europa venha realmente a operar conforme o planejado. Elas certamente não serão o elo mais fraco na cadeia extremamente complexa da construção naval.

Com a aquisição de 160 unidades OSE, incluindo os modelos OSE 80, OSE 20, OSE 10 e OSE 5, A.P. Møller – Mærsk não é a única companhia de navegação que conta com a tecnologia da GEA. Pelo contrário, os nove principais armadores de navios porta-contêiner no mundo utilizam a tecnologia testada e comprovada para tratamento de óleo combustível pesado e óleo lubrificante.

Voltar