Processamento de proteínas orgânicas

Enzimas, definidas como catalisadores biológicos macromoleculares, são responsáveis por milhares de processos metabólicos e estão localizados dentro de cada célula viva. Altamente seletivas, elas aceleram a velocidade e a especificidade de reações metabólicas, da digestão de alimentos (quebra de amido, proteína, gordura ou açúcar) à síntese de DNA, sem se desgastarem. A maioria das enzimas são proteínas, embora moléculas de RNA catalíticas tenham sido identificadas.

Extração de enzimas por homogeneização

A ruptura de células microbianas é uma primeira etapa essencial neste processo e o uso crescente de homogeneização de alta pressão para obter enzimas intracelulares e organelas merece destaque cada vez maior. Ela permite a extração de substâncias intracelulares, sem a necessidade de usar solventes ou outros produtos químicos para iniciar a ruptura da parede celular.

Extração de enzimas por centrifugação

As centrífugas e decantadores da GEA garantem a separação das enzimas intracelulares e extracelulares intactas e em altas concentrações.

Produção de enzimas intracelulares

A glicose isomerase é um exemplo de uma enzima que converte glicose em frutose e é altamente relevante na indústria de amido. A enzima é produzida e permanece nas células dos micro-organismos utilizados. Para processá-la, a fase líquida do caldo de fermentação é separada por centrifugação após a fermentação. Os micro-organismos concentrados recebem tratamento adicional após a centrifugação. As paredes celulares são rompidas. Dependendo da consistência da suspensão, ela é diluída antes dos debris celulares serem separados por centrífugas operacionais contínuas. 

Produção de enzimas extracelulares

As centrífugas e decantadores da GEA são ideais para o tratamento otimizado do pó enzimático lavado. O ar cuidadosamente purificado e esterilizado é injetado em um fermentador equipado com um agitador. As bolhas de ar são distribuídas na solução nutritiva, composta de carboidratos, proteína, agentes de crescimento e nutrientes. Ela é esterilizada, aquecida até uma temperatura ideal e, em seguida, inoculada com a cultura purificada de um micro-organismo não patogênico. Os micro-organismos se nutrem com a conversão das substâncias e produzem simultaneamente as enzimas. Em seguida, elas são excretadas no caldo de fermentação. Após a fermentação, os micro-organismos são separados pela adição de floculante e centrifugados em separadores centrífugos e decantadores. As etapas subsequentes de lavagem e polimento com centrífugas aumentam ainda mais o rendimento e a pureza das enzimas.