GEA proporciona uma visão ampla de tratamento de gases de escape na indústria do vidro

Nos últimos anos, a demanda por vidro tem crescido acima do crescimento do PIB. Aumentar a eficiência energética é uma das etapas mais importantes rumo à concretização de três metas da política energética e ambiental: a segurança do abastecimento, o crescimento econômico e a proteção do meio ambiente.

Ar limpo para a indústria de vidros, instalação da GCP no Brasil, estado de São Paulo, em operação desde 2013.

Aplicação na indústria do vidro

Areia de sílica, cullets (cacos de vidro) e outros materiais são as bases para qualquer tipo de produção de vidro. Devido ao processo de fusão das matérias-primas, cria-se o gás de combustão sujo, que depois é transferido do forno para a chaminé. Os fornos de vidro float, para janelas de carros ou edifícios, têm alta capacidade de produção de cerca de 600 a 1.000 toneladas de vidro por dia (tpd) em condições de forno contínuo e altas temperaturas de gases de combustão.

Para os fabricantes de vidro de contêiner, como por exemplo, vidros para garrafas, perfumes ou farmacêuticos, com taxas de produção de cerca de 50 a 400 tpd, o processo de coloração e as variações relacionadas no gás de combustão se constitui em um dos desafios. Também uma alta variedade na condição do forno. 

Com a tecnologia de controle de emissões da GEA, o gás de combustão sujo é limpo de acordo com cada regulamentação governamental, levando em consideração a tarefa individual e o resultado necessário.

Nossos clientes podem esperar sistemas continuamente estáveis e confiáveis, com reduzido tempo de manutenção e alta disponibilidade da planta. A GEA adquiriu experiência com mais de 140 instalações apenas na indústria do vidro, com clientes satisfeitos em todo o mundo. A planta convencional de limpeza de gás (GCP) consiste em: 

DeSOx e DeNOx

Remoção de componentes ácidos com um sistema seco ou semi-seco para obter a eficiência individual de remoção de SOx necessária. Pode ser utilizada uma variedade de reagentes diferentes, como por exemplo, cal hidratada, carbonato de sódio ou Trona. A remoção do óxido de nitrogênio é conseguida numa camada catalítica com, por exemplo, água de amônia. Um sistema especial de selagem assegura um baixo escape contínuo de amônia para o gás limpo. Em vez das partes de equipamento acima mencionadas, também pode ser instalado um filtro com vela.

Remoção de material particulado

No precipitador eletrostático a gás quente (ESP) o pó do forno, bem como a produção de reação a partir do DeSOx a montante, são precipitadas. É possível obter a emissão de < 10mg/Nm³ de pó de gás limpo seco.

Recuperação de energia 

A economia de energia é uma questão fundamental para todo tipo de indústria, incluindo o setor de vidro. Mesmo que o processo de produção de vidro seja considerado economicamente, é possível um uso eficiente da energia térmica dos gases residuais através da tecnologia ORC (Organic Rankine Cycle).

A energia térmica do gás de escape é transferida por um fluido transportador (óleo térmico) para o módulo ORC e​seu fluido de trabalho. O fluido de trabalho é evaporado e expandido em uma turbina que produz eletricidade através de um gerador. Alternativamente pode ser produzido ar comprimido, água quente ou aquecimento do edifício usando o calor residual do gás de combustão sujo e/ou limpo.